Hardware
Now Reading
Google demonstra computador 100 milhões de vezes mais veloz que PC .

Máquina usa física quântica, feito crucial para evolução da inteligência artificial 

MOUNTAIN VIEW — A Google anunciou nesta semana que um controverso computador, adquirido pela companhia em 2013, é realmente capaz de usar a física quântica para realizar cálculos, feito considerado crucial para o avanço da inteligência artificial. De acordo com Hartmut Neven, diretor de Engenharia do Google Research, um novo algoritmo foi capaz de demonstrar que para a resolução de um problema envolvendo mil variáveis binárias, a máquina foi cem milhões de vezes mais veloz que processadores convencionais.

O computador foi adquirido da empresa canadense D-Wave, e está instalada no Centro de Pesquisas Ames, da Nasa, em Mountain View, na Califórnia. O desenvolvimento dos chamados computadores quânticos é perseguido por governos e empresas como Microsoft, IBM e, claro, a Google.

Os pesquisadores apostam que a tecnologia será capaz de tornar softwares de inteligência artificial muito mais poderosos, e abrir as portas para cálculos hoje impossíveis de serem realizados, o que pode representar um grande salto em áreas como a ciência de materiais. Na Nasa, o plano é usar os computadores quânticos para simulações de futuras missões e espaçonavez.

— É verdadeiramente uma tecnologia disruptiva, que pode mudar como fazemos tudo — disse Rupak Biswas, diretor de tecnologias de exploração da Nasa no Centro de Pesquisas Ames.

A máquina instalada no centro de pesquisas da Nasa opera os dados usando processadores que trabalham com “q-bits”, em vez dos tradicionais bits. Na computação convencional, o bit é a unidade básica da informação, e tem dois estados possíveis, o “0” e o “1”. No “q-bit”, as partículas podem exibir mais de um estado por vez. Podem representar o “0”, o “1”, ou os dois simultâneamente.

Em texto publicado no blog da D-Wave em junho, Earl Joseph, analista do IDC para Computação de Alta Performance, afirmou que parcerias como a da Google com a Nasa contribuem significativamente para o desenvolvimento da computação quântica, considerada disruptiva na indústria.

“Para a indústria de computação de alta performance, a promessa da computação quântica é muito excitante”, disse Joseph. “Ela oferece potencial para resolver problemas importantes que não podem ser solucionados hoje ou levariam uma quantidade de tempo não razoável para serem resolvidos”.

(POR O GLOBO)